3 cuidados com sua empresa ao oferecer voucher aos clientes

24 de abril de 2020
voucher aos clientes - por Cláudia Baraúna

Tenho ouvido bastante as pessoas aconselharem a venda de vouchers durante o período de quarentena.

Afinal... A venda de vouchers é ou não é uma boa ideia? Eu vou dizer que DEPENDE!

Mas por que depende? Eu preciso fazer alguma coisa, não posso ficar parado!


Vou explicar melhor...

A venda de vouchers pode esconder um perigo que pequenos e médios empresários podem sofrer mais a frente.


Você vende o voucher, por exemplo, para ser usado no futuro quando as portas forem ser abertas, certo?

Maravilha!


O cuidado que você precisa ter é que você precisa honrar esse compromisso no futuro e vai poder utilizar apenas parte desse valor hoje, e reservar parte para quando for entregar o produto. Por isso a precificação e a gestão financeira do seu negócio são tão importantes.


Na hora de definir o preço do seu produto ou serviço, você precisa: 


1. Considerar o custo para adquirir ou produzir o produto e/ou prestar o serviço.


2. Considerar parte do valor da venda para pagar as suas despesas.


E por fim, mas não menos importante, ter em mente o valor que efetivamente pode “colocar no bolso”.


3. Considerar o seu lucro.


Outra questão que preciso ressaltar, você precisa administrar muito bem os valores da entrada das vendas! O maior erro ao se conceder um voucher é utilizar 100% do valor recebido e não separar parte desse valor para quando for entregar o produto.


É extremamente importante que você crie uma reserva para pagar os custos para entregar o produto no futuro.


Após a pandemia, você vai precisar entregar o produto ao cliente e, se não considerar essa reserva, não terá recursos para isso e, a partir daí, criará um novo problema para seu negócio!


O voucher é então uma boa ideia? Sim, é uma ótima saída, mas você precisa separar o valor em 3 partes:


- Valor para produzir o produto

Que só deve ser gasto quando realmente for produzi-lo!


- Valor para os gastos com as despesas

Que já pode ser utilizado para pagar as contas da sua estrutura e manter seu negócio. Por exemplo, conta de água, luz, internet, telefone, marketing, etc.


- Valor referente ao lucro

Que você pode “colocar no bolso” e utilizar para pagar despesas pessoais ou guardar de reserva para sua empresa.

Se você não levar esses pontos em consideração, só estará empurrando o problema mais para frente, e terá que lidar com ele mais cedo ou mais tarde, podendo colocar em risco a saúde financeira do seu negócio.



Nesse caso, a gestão financeira adequada faz uma grande diferença!